quarta-feira, 22 de abril de 2009

Inteligência Espiritual

Falou-se muito em inteligência emocional no trabalho, agora falamos em inteligência espiritual.

A inteligência espiritual incorpora valores como integridade, honestidade, responsabilidade, compaixão, respeito e coragem. Ela nos leva às questões ao invés de ter respostas e nos permite sentir confortáveis diante das incertezas e inconsistências.

Líderes como Gandhi e Mandela incorporaram altos níveis de inteligência espiritual, daí o senso de propósito e integridade que transpôs muitas dificuldades.

Ela é a inteligência que lhe permite aproximar-se dos assuntos intuitivamente e o ajuda a avaliar e fazer a escolha que é certa ou mais significante.

Se considerarmos que as inteligências política e de negócio são sobre conhecimento e procedimentos, a espiritual é sobre a existência, ou seja, a demonstração da verdade interior, permitindo sua identidade e propósito para brilhar através de seus liderados de um modo que é atrativo e potencialmente inspirador aos demais.

Mas por que esse tipo de liderança ganha espaço nas organizações? Pela carência das pessoas em se sentirem completas (mente, corpo e alma) e pela busca de realização que jamais é somente financeira.

As empresas inclusive apostam cada vez mais em qualidade de vida para seus profissionais como diferencial de retenção de talentos e como forma de motivação.


O propósito da inteligência espiritual não é o encontro com crenças religiosas, apesar de poder tomar parte do caminho para se atingir um desenvolvimento espiritual. Seu propósito é atingir a claridade de pensamento, onde não existem interrupções e o pensamento racional não é convidado. Ela lhe permite obter um entendimento profundo de si mesmo, um forte senso de significado e aproximação mais corajosa de tudo o que fizer.

Quer exercitar sua inteligência espiritual? Experimente:
  • Ser flexível
  • Ser consciente de si mesmo
  • Ter uma visão e ser liderado por seus valores
  • Aprender com experiências de adversidade
  • Procurar por conexões
  • Valorizar a diversidade
  • Defender o que você acredita
  • Questionar e recompor um problema
  • Não deixar que posição ou status vá para sua cabeça  «

2 comentários:

  1. Oi Má
    Achei interessante seu artigo sobre Inteligência Espiritual. Concordo com você que Gandhi e Nelson Mandela foram grandes líderes espirituais. Mas acredito que, independente de religiosidade, JESUS foi o maior líder de todos os tempos. Quando você fala de valores como integridade, honestidade, responsabilidade, compaixão, respeito e coragem, não pode deixar de citar Aquele que foi e é o maior exemplo que a humanidade já teve. Só a lembrança dos ensinamentos de JESUS já nos faz sentir confortáveis diante das incertezas e adversidades da vida.
    Um grande beijo no seu coração.
    Marlene

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marlene. A Inteligência Espiritual não está necessariamente ligada a uma religião é mais um meio de se viver através de crenças. Gandhi escolheu o Satyagraha (caminho da verdade), cujo princípio era a não-agressão. Escolhi os dois líderes, pois estão presentes na História Moderna, não se pode contestar a liderança desses homens, mas tivemos outros como Luther King. O que eu quis mostrar é que a Inteligência Espiritual pode e deve ser usada pelo líder que vive suas crenças, que acredita nas pessoas. O líder não deve ser um pregador, mas alguém que inspira pelos motivos certos com humanidade. Espero ter esclarecido, e obrigada por seu comentário.

    ResponderExcluir